Farol das Contendas


De acordo com um parecer de 1882 da Comissão de Faróis e Balizas, o farol a instalar na Ponta das Contendas deveria ter um aparelho e lanterna de 2.ª ordem, luz cintilante, 4 clarões – 3 brancos e 1 vermelho, num sector de 240º. Porém, no Plano Geral de Alumiamento aprovado em 1883, surge como local de implantação a «Ponta de São Jorge». O conselheiro Almeida de Ávila viria a prever também em 1891, a instalação do farol nesse local.

Não seria, no entanto, este o parecer da comissão de 1902, que entendia que a parte mais frequentada pela navegação, desde o Monte Brasil até à Ponta da Serreta, ficava obscurecida e, por isso, julgava mais conveniente a instalação do farol na Ponta das Contendas.

Embora muito mais tarde que o previsto, o farol veio efectivamente a ser edificado na Ponta das Contendas, sendo o seu projecto de 1930.

O orçamento da construção do edifício era de 240.000$000 reis.

Em 1926 foi comprado o terreno para a edificação do farol por mil e quinhentos escudos insulares, ou sejam mil e duzentos escudos da moeda continental.

Em 1928, vinte proprietários de prédios que ficavam próximos da Canada da Ponte, declaravam ao Director de Faróis, ceder o terreno que fosse preciso para a construção da estrada para serventia do farol, tendo apenas a Direcção de lhes mandar tapar os prédios com pedra solta como é uso na ilha.

Prontificavam-se ainda, a dar dias de trabalho para se carregar o material e abrir a vala que vai conduzir a água para abastecer o farol, pedindo como contrapartida que em dois pontos da Canada ficassem dois chafarizes.

Deu-se inicio à construção em 1928 com cantaria dos fortes existentes nas zonas chamadas caninas, sendo o material transportado em carros de bois, incluindo a areia tirada da Baía das Caninas e a água vinda da fonte da Vila de S. Sebastião.

A obra esteve a cargo do mestre de obras António Tomaz que já tinha dirigido a construção de outros faróis.

O farol das Contendas foi estabelecido em 1 de Fevereiro de 1934. Fica localizado na Ponta das Contendas a SE da Ilha Terceira. A torre do farol tem 13 metros de altura e 54 de altitude. Foi equipado com um aparelho lenticular, dióptrico catadióptrico girante de 3ª ordem, grande modelo (500 mm distância focal), sendo a fonte luminosa a incandescência pelo vapor de petróleo, ficando como reserva um candeeiro de cinco torcidas de nível constante.

A rotação da óptica é produzida através da máquina de relojoaria e o alcance luminoso é de 20 milhas. A lanterna tem cúpula de vidro para lhe dar a característica de aeromarítimo.

Em 1957 foi construída a casa das máquinas, vindo o farol a ser electrificado através de grupos electrogéneos em 1958. A fonte luminosa passou a ser uma lâmpada de 3000 W, ficando a incandescência a petróleo como reserva.

Em 1964 foi inaugurada a estrada que dá acesso ao farol, comparticipando a Direcção de Faróis nas obras com a quantia de 50000$00. Neste mesmo ano o farol foi ligado à rede pública de abastecimento de água.

Devido ao sismo de 1980, foi derramado uma grande quantidade de mercúrio da cuba do farol. Depois de pesado, houve necessidade de acrescentar 10,425 Kg.

Além desta, houve outras pequenas avarias que não afectaram o normal funcionamento do farol.

A potência da fonte luminosa foi reduzida com a instalação de uma lâmpada de 1000W 120V em 1983.

Em 1985 foram introduzidos dois sectores de luz vermelha para dar resguardo ás zonas mais perigosas, incluindo as proximidades dos ilhéus dos Fradinhos.

O farol foi electrificado em 1998 com a ligação à rede eléctrica de distribuição pública. Está automatizado com o sistema modelo DF.

LocalPonta das Contendas, Ilha Terceira
Coordenadas38° 38' 41.568"N, -27° 4' 48.4638"W
Altura13 m
Altitude54 m
LuzFl (4) WR 15s
Alcance23 M (W) / 20 M (R)
Optica3ª Ordem - 500 mm
Ano1934