Farol da Ponta da Ilha


O farol da Ponta da Ilha situa-se na Ilha do Pico, uma das mais notáveis ilhas do arquipélago açoreano, pela altura e beleza da sua montanha e também pela excelência dos seus vinhos.

Este farol já figurava no Plano Geral, aprovado em 1883, prevendo a instalação de um aparelho de 2.ª ordem, produzindo um clarão de cor branca, com alcance luminoso de 25,5 milhas numa atmosfera de estado médio de visibilidade e de, pelo menos, 11,5 milhas em estado brumoso.

Com o estabelecimento do farol da Ponta da Ilha, concordava também o conselheiro José de Almeida Ávila, no seu relatório A iluminação das ilhas do archipelago açoriano, elaborado em 1891.

Contudo, a Comissão de 1902, diferia desta proposta e propunha: a instalação na Ponta da Ilha de um apparelho de 3ª ordem, pequeno modelo, mostrando grupos de 4 clarões brancos de dez em dez segundos, alcances de onze milhas, vinte e cinco milhas e vinte sete centésimos e cincoenta e duas milhas e quatro centesimos, respectivamente em tempo brumoso, médio e claro (...). – O Plano geral indica um apparelho de 2.ª ordem mostrando um clarão branco, caracter este de applicação inconveniente n’este local em vista das modificações propostas nos apparelhos indicados pela comissão para outros pontos relativamente proximos.

Constrangimentos de vária ordem ditaram que apenas em 1942 se desse inicio à materialização do projectado farol, com a compra de mil metros quadrados de um prédio rústico sito ao Calvino, freguesia da Piedade, pelo preço de duzentos escudos.

O orçamento para a construção do edifício, elaborado nesse mesmo ano, era de 231.632$81, tendo sido o empreiteiro da obra Manuel Nunes Rosa.

O farol da Ponta da Ilha entrou em funcionamento em 21 de Julho de 1946. Tem uma torre com 19 metros de altura e 29 metros de altitude. Inicialmente foi equipado com um aparelho de 5ª ordem (187,5 mm distância focal), que tinha sido retirado do farol da Serreta; a fonte luminosa era a incandescência pelo vapor de petróleo e tinha como reserva um candeeiro de nível constante.

Em 1957 foi construída uma casa para os motores pela quantia de 60.400$00.

O farol foi electrificado em 1958 através da montagem de grupos electrogéneos, passando a fonte luminosa a ser uma lâmpada de incandescência eléctrica de 3000 W.

Em 1959 o farol ficou ligado por estrada à povoação.

Para a construção de um barracão, foram comprados 1.375 metros quadrados de terreno por 100$00.

Face ao péssimo estado em que se encontrava, a óptica original foi substituída em 1960 por outra de igual modelo que inicialmente se destinava ao farol da Amêijoa, mas este farol nunca chegou a ser edificado, face à instabilidade da barra de Setúbal (optou-se neste local por um farolim móvel sobre carris).

Em 1987 foi substituído novamente o aparelho óptico por um equipamento mais moderno de ópticas seladas, montadas num pedestal rotativo com reserva de alimentação e fonte luminosa incorporada (sistema PRB-46).

O farol foi electrificado com energia da rede pública em 1993.

LocalPonta Este da Ilha do Pico
Coordenadas38° 24' 45.1836"N, -28° 1' 49.5474"W
Altura19 m
Altitude29 m
LuzFl (3) W 15s
Alcance24 M
OpticaPRB 46
Ano1946